Como “Armadilhas”

            Nas consultas, após a pessoa entender que não é o que pensa ser, uma persona, e sim um Espírito manifestando-se como uma persona temporária, passageira, o psicoterapeuta reencarnacionista deve conversar sobre Reencarnação. Deve lembrar-lhe que viemos de outro plano dimensional para cá nos manifestar em um corpo físico, em uma persona temporária, durante algum tempo e que, um dia, iremos embora, subiremos novamente. Isso é básico em uma consulta de Psicoterapia Reencarnacionista, devemos conversar sobre a Reencarnação para podermos entender o que são as armadilhas da vida terrena e ajudar a nós mesmos e as pessoas que nos procuram a evitarem-nas e, se já caímos nelas, podermos sair, libertar-nos.
            Muitas pessoas referem que sua infância foi muito dura, que passaram por dificuldades, quer seja de ordem afetiva, quer seja de ordem financeira, problemas com um dos pais, ou com ambos, ou com outras pessoas. Muitos permanecem com esses traumas pelo resto de sua encarna­ção, influenciando gravemente seu comportamento. Os sentimentos são conseqüência dos pensamentos e esses vêm do raciocínio, então a cura dos sentimentos é possível através da simples mudança do raciocínio. O raciocínio não-reencarnacionista (“versão persona”), auto-centrado, de vitimação, leva às doenças, pois a maioria dos doentes de doenças crônicas como asma, reumatismo, problemas cardíacos, digestivos, renais, etc., criam essas doenças em si por sofrerem equivocadamente por essas questões da infância, e encontramos neles, por trás dos seus sintomas físicos, questões emocio­nais como mágoa, ressentimento, medos, raiva, tristeza e insegurança.

            Os doentes acreditam que essas questões emocionais, que geraram suas doenças físicas, têm sua origem na infância, no início dessa atual trajetória terrena, esquecidos que nós mesmos criamos a estrutura da nossa infância. Os sentimentos e as tendências inferiores, quando intensas, já nasce­ram conosco, e foram afloradas e não geradas na infância pelas situações consideradas como “injustas”. A mágoa, a rejeição, a raiva, o medo e a insegurança são os fatores causais mais freqüentes das doenças crônicas, então como resolver isso? Aí é que entra a Psicoterapia Reencarnacionista para ajudar no nosso esclarecimento de nossas questões kármicas e reencarnatórias. Devemos ajudar as pessoas a entender que não nascemos puros e imaculados, que trazemos sentimentos e características inferiores para tentar aqui melhorar, ou eliminar. Devemos mostrar-lhes que não devem continuar acreditando que toda aquela mágoa, aquela raiva, iniciaram na infância, como se tivessem nascidos perfeitos, que não trouxessem esses sentimentos consigo ao nascer.

             O psicoterapeuta reencarnacionista deve lembrar às pessoas que seu pai e sua mãe são também Espíritos e, mais do que provavelmente, vêm se encontrando freqüentemente nessas passagens terrenas, e que eles também aqui estão tentando eliminar suas imperfeições, tentando purificar-se. Devemos falar sobre os rótulos temporários e ilusórios da encarnação pois é preciso entender que ninguém é pai, mãe, filho, irmão, marido, esposa, etc., apenas as personalidades terrenas acreditam que são. Convencida a pessoa dessas verdades óbvias, entendendo que não nasceu puro e estando ciente da relatividade dos rótulos, a próxima etapa é conversarmos sobre o por que ter nascido naquela família, naquele ambiente, filho daquele pai, daquela mãe, estar passando por tal ou qual situação, etc.

Anúncios

Sobre Marcio Higa

Pós-graduado em Telecomunicações, Bacharel em Ciência da Computação e Técnico em Mecânica. Está terapeuta há 10 anos, com formação em Reflexologia(Podal e Auricular) pelo IOR, Crochetagem(Técnica de Fisioterapia Manual) e Manobras Articulares(Quiropraxia e Osteopatia) pela ABCroch, e Psicoterapia Reencarnacionista, na qual é Ministrante, Palestrante e Coordenador Nacional e de SP dos Grupos de RAD(Regressão À Distância) da ABPR. É fundador e proprietário do Instituto Sofia Higa, em São Paulo-SP, na Vila Prudente.
Esse post foi publicado em Consciência e Poder. Bookmark o link permanente.